Notícias

Quebra x Queda de cabelo

Quando o assunto é cabelo, a principal queixa que ouvimos no consultório é em relação a queda dos fios.

A queda de cabelos intensa é percebida pelas pacientes que referem que a quantidade ou o volume de cabelos que caem aumentou muito, geralmente, de forma aguda e principalmente após lavar e pentear os fios.

Nós temos uma queda diária de fios que é considerada normal que gira em torno de 100 fios de cabelos por dia. Esses são os fios telógenos que estão programados pra cair e abrir espaço para o nascimento de um novo fio e um novo ciclo folicular.

Pacientes que sofrem com eflúvio telógeno, podem ter uma queda muito maior do que 100 fios por dia, gerando ansiedade e receio até de manusear o cabelo.

Essa queda intensa é denominada eflúvio telógeno.

Existem várias causas para o eflúvio telógeno. Deficiências nutricionais, doenças inflamatórias ou infecciosas, dietas severas, cirurgias prévias, e muito comumente, gatilhos emocionais, como estados ansiosos ou traumas psicológicos podem ser etiologias possíveis para o eflúvio.

Apesar de ser uma condição muito angustiante para as pacientes, geralmente conseguimos reverter o quadro após o diagnóstico e tratamento adequados.

Quando se trata de quebra de cabelos, ou seja, fratura da haste capilar, significa que houve dano à principal estrutura do fio: a queratina.

Todos os procedimentos químicos capilares como alisamentos, relaxamentos, tinturas e descoloração oferecem muita agressão aos fios, tornando-os frágeis e susceptíveis a quebra após qualquer mínimo trauma, como o simples ato de escovar os fios.

O dano térmico do secador e da chapinha também prejudicam muito a estrutura dos fios, não sendo recomendados para serem feitos diariamente.

Quando o fio está sofrendo fratura, é difícil conseguir reverter a quebra, já que o dano causado no córtex do fio muitas vezes é irreversível.

O seu dermatologista saberá diferenciar o eflúvio telógeno da fratura da haste através da consulta médica e exames complementares como a tricoscopia, análise dos fios desprendidos e exames laboratoriais.

Fonte: SBDRJ