Notícias

Hiperidrose: a doença que provoca suor excessivo

Suar quando se pratica atividades físicas, quando está calor ou em certas situações específicas – como momentos de raiva, nervosismo e medo – é normal, pois ajuda a manter a temperatura do corpo. Mas se começa a virar uma constante e o suor vem em grande quantidade, é hora de prestar atenção porque pode ser um alerta para hiperidrose: uma condição benigna que causa sudorese excessiva, ainda que em repouso. 

A hiperidrose acontece devido a uma secreção intensa das glândulas écrinas, responsáveis pela regulação da temperatura basal – mais concentradas na superfície da pele, especialmente nas axilas, mãos, planta dos pés, região inguinal e perineal, além de rosto e cabeça. Tudo ocasionado por causa de uma hiperfunção das glândulas.

Entre os fatores de risco e desencadeantes estão: histórico familiar; tensões psicológicas; exposição contínua ao sol em dias muitos quentes; exagero na prática de exercícios físicos; E execução de atividades que exigem muito esforço físico. O diagnóstico é obtido por meio de exames e investigação do histórico familiar, feita pelo médico dermatologista.

A condição pode ser dividida em:

Primária: tem predisposição genética e pode se manifestar em qualquer fase da vida. As pessoas não suam quando dormem ou em repouso. Afeta 2% a 3% da população, no entanto, menos de 40% desses consultam um médico.

Secundária: é desencadeada por algumas questões como estresse, tabagismo, obesidade, menopausa, alguma condição médica, efeito colateral de uma medicação, entre outros fatores que afetam o sistema nervoso. Nesse caso, as pessoas suam em todas as áreas do corpo ou em regiões incomuns, durante o sono ou em repouso. Surgem geralmente na fase adulta.

A transpiração extrema pode ser embaraçosa, desconfortável, indutora de ansiedade e até incapacitante. É capaz de perturbar todos os aspectos da vida de uma pessoa, desde a carreira e atividades recreativas até relacionamentos, bem-estar emocional e autoimagem. O tratamento é determinado a partir da causa da hiperidrose e envolve a prescrição de medicamentos que impedem a estimulação das glândulas sudoríparas, a aplicação de Toxina Botulínica, o uso de cremes e antitranspirantes em situações em que o quadro é mais leve, e até cirurgias para a remoção das glândulas sudoríparas nos casos mais graves.

Fonte: SBDRJ