Notícias

Faça uma escolha saudável!

Nos últimos tempos a mídia tem abordado casos fatais de pacientes que se submeteram a procedimentos estéticos realizados fora de uma clínica profissional e monitorados por profissionais sem título de especialista – prática abertamente condenada pelo CFM (Conselho Federal de Medicina) e pela SBDRJ (Sociedade Brasileira de Dermatologia – Regional Rio de Janeiro).

A crescente invasão das especialidades por não-especialistas tem promovido expressivos casos de falhas, algumas fatais. É preciso estar atento pois, qualquer procedimento médico, especialmente os invasivos, deve ser executado por especialistas da área e, sobretudo, em local adequado.

No caso da dermatologia, a formação é ampla e diversificada. Para tornar-se dermatologista, além da graduação em Medicina e da residência ou especialização na área, é preciso ser aprovado no rigoroso exame de Título de Especialista em Dermatologia da Associação Médica Brasileira (AMB) e Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD). Somente os médicos que concluíram a residência e/ou foram aprovados neste exame podem solicitar o Registro de Qualificação de Especialista (RQE) – o registro comprova que ele se especializou na área. Então, infelizmente, nem todo profissional que se anuncia como dermatologista é, de fato, especialista.

A pele é o maior órgão do corpo humano e merece total atenção. Se não tratada por profissionais capacitados, procedimentos simples podem trazer danos permanentes. Somente dermatologistas qualificados podem oferecer um diagnóstico preciso de doenças e problemas de pele. Além disso, o campo da dermatologia cosmiátrica (estética) é encarado com muita ética e seriedade por esses profissionais. Os dermatologistas estão em constante estudo e atualização no tema. Portanto, fique atento!

Para saber mais sobre a formação e especialização do seu médico, clique aqui e faça uma busca no site do CFM.

Fonte: SBDRJ